Conheci a Naomi através da sua tia, minha professora de canto: a maravilhosa Alza Alvez. A Alza tinha um quadro lindo na parede, que me chamou a atenção. Perguntei de onde vinha, e ela soltou cheia de orgulho: foi minha sobrinha quem fez. Entramos no instagram dela para que eu conhecesse mais da sua arte. Descobri na rolagem de feed uma aquarela de um cachorrinho salsicha. Era o sinal de que eu e Naomi precisávamos nos conhecer.

(Naomi veste blusa Gina preta e jardineira Julia bege)

Marcamos um café na loja e, desde então, eu mando para ela no whatsapp imagens aleatórias de pequenos detalhes mágicos que encontro na vida. Estes, ela transforma em desenhos que estamparão as peças da marca. Nossa primeira colaboração é linda e delicada como a Naomi, e vocês a conhecerão em breve. 

Luisa: Defina arte com um dia da sua vida!

Naomi: Uma vez, resolvi presentear um amigo com uma pintura que eu havia feito há algum tempo. Percebi que ele era um dos poucos que ainda não tinha recebido um trabalho meu. Mandei pelo correio de surpresa e, quando ele recebeu o pacote, me disse palavras que até hoje considero muito importantes: que eu me dedicava inteiramente à minha arte, e isso se via nela. E era exatamente o que eu precisava fazer da vida. Na época eu estava estudando loucamente para o vestibular, em um momento tenso. O presente para ele e o que compartilhamos por causa disso foi muito marcante. 

Luisa: Como funciona o seu processo criativo?

Naomi: Não tenho um roteiro que eu sigo sempre, é bem diverso, cada dia de um jeito: o que eu estou sentindo naquele momento. Sou uma pessoa muito observadora, absorvo tudo ao meu redor, o que eu vejo na rua. Presto atenção nos detalhes da plaquinha da padaria... Tenho uma relação muito especial com cores, e antes de começar a pintar faço pequenos riscos no canto da folha para ver se elas são sufientes para mim. O trabalho pronto nunca é muito parecido com o que eu comecei a fazer. Apago muitas vezes, gosto de refazer como um exercício e observo que é parte importante do meu processo. 

(Naomi veste blusa Lais, saia Giovana creme e bolsa Charlotte)

Luisa: O que existiria no seu ateliê dos sonhos?

Naomi: Com certeza, uma mesa muito grande! Sou virginiana e bagunceira, então seria necessário para que eu me sentisse à vontade na minha bagunça. Muitas caixas, abarrotadas de material. Papel, sou apaixonada por papel. Muito papel e vários tipos! Um equipamento de som, porque não posso viver sem música. E acho que, na real, o maior sonho é que esse ateliê fizesse parte da minha casa. Ter um cantinho espaçoso com todos os materiais que eu preciso.

Naomi no nosso escritório. Ao fundo, um spoiler da primeira estampa que ela desenhou para vestirmos. A gente mal pode esperar: estamos amando ser tela para a arte dela. 

Texto: Luisa Meirelles

Fotografia: Bruna Paes e Luisa Meirelles

Agradecimentos: Galeria Via Thorey